(Resenha) Esquadrão Trovão

Eu sempre fico com o pé atrás quando produtoras que não são do segmento de super herói, resolvem produzir algo do gênero.

E quando produzem tento não levar muito a sério ao meu patamar de fã de filmes de super heróis.

Enrolei muito para ver o Esquadrão Trovão, até que em um final de semana peguei para ver e aproveitei e chamei minha mamis para ver junto, já que aparentemente seria um filme de comédia.

Não darei spoilers do filme, apesar dele ser aquela comédia básica de heróis que passaria tranquilo na Sessão da Tarde.

Na verdade o fato de ser tão básico deixa ele bobo.

Eu até entendo e sim acho super necessário a diversidade nos mundos dos super heróis, eu li por ae resenhas sobre esse filme pontuando isso.

Mas eu não vi isso, será que assisti o errado?

O fato da diversidade, ter heroínas, fugindo do padrão narcisista emposto pela sociedade e tudo mais, acabaram sendo enterrados porque acabou virando mais um filme de comédia pastelão que acaba tirando sarro da forma física das protagonistas.

Exatamente isso, o filme que até então era para celebrar a diversidade e quebrar o padrão de heroína sarada mas em seu roteiro faz piadas bobas sobre a forma física.

Se for ver Esquadrão Trovão com vontade de ver um filme de super heroínas, esquece, na verdade o filme enrola muito.

É uma enrolação tremenda para contar o tal laço entre as protagonistas, que com dois flashbacks já resolveria tudo, parece que alguém na Netflix tentou fazer a fórmula Marvel de filmes, mas acabou fazendo mais um Sessão da Tarde com personagens que sofreram descriminação mas o filme é regado de piadas chulas tirando sarro e um banho de preconceitos com as formas físicas das heroínas.

É como se eu que sou meio barrigudo e sofro discriminação, e para lutar contra isso, faço um filme recheado de piadas feitas por mim, tirando sarro pelo fato de ser barrigudo.

Acabei virando aquele cachorro que roda, roda e roda e acaba deitando no mesmo lugar.

A gente acaba ficando é sem entender nada, lembro que vi uma review do filme em vídeo dos Irmãos Piologo e agora vendo o Esquadrão Trovão concordo totalmente com eles, a gente fica se sentindo esquisito, rindo da piada sobre o aspecto físico das protagonistas em um filme contra essa gozação aonde as mesmas fazem essa piada.

Tirando essa loucura toda, o plano de fundo é muito raso, uma animação da Lego é mais profunda e interessante, tem cenas que você olha e pensa: tá agora faz tal besteira porque na cara que vai fazer isso, aff.

Tinha cenas que nitidamente a Octavia Spencer estava desconfortável (e ela é uma excelente atriz de grandes papéis), ela sempre aparecia com aquela cara de o que estou fazendo aqui?

Octavia Spencer

Ou a cara de tédio mesmo, por ser uma das protagonistas e no caso a mentora de tudo do Esquadrão Trovão, as vezes ela parecia ser uma figurante, mas isso não porque é uma atriz ruim pelo contrário como já mencionei a cima, é que na verdade o filme infelizmente ficou focado na heroína comedia pastelão.

Falando na heroína comédia pastelão, o nível das piadas era tipo: puxe meu dedo.

Por incrível que pareça eu dormi no meio do filme, principalmente porque como já falei enrola muito para chegar aos finalmente.

A ação começa com o confronto com os vilões, que são outra decepção a parte, você não sabe se ria ou se chorava.

Enfim, se você gosta de um filme bem comédia pastelão, para você deixar de fundo rodando e ouvindo e as vezes assistindo, enquanto espera seu jantar esquentar no micro-ondas, é uma boa.

É um filme infantil, olha vai, infanto-juvenil, mas para jovem nossa totalmente desligado do mundo real.

É um filme de comédia pastelão, que tentou entrar na onda dos filmes de super heróis, mas que no final não precisava disso.

Esquadrão Trovão é da Netflix!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *